24 de setembro de 2011

Tua Palavra é verdade e vida - 26º domingo do Tempo Comum

Este último final de semana do mês de setembro é dedicado à Bíblia. A Igreja nos convida a refletirmos sobre a importância que damos à Palavra de Deus. 

No mundo existem diversas palavras. São vozes que gritam, falam, sussurram na busca de ouvintes. Muitas são palavras vazias que não levam a nada. Outras tentam nos indicar caminhos, mas por serem palavras meramente humanas, não indicam o caminho certo.

Isso não acontece com a Palavra de Deus. Mesmo tento passado milênios, ela continua sempre atual, viva e eficaz. São João Calábria dizia que a Palavra de Deus é consecratória, isto é, realiza aquilo que diz. Se dermos atenção às palavras dos homens, que hoje existem e amanhã não existem mais, tanto mais devemos dar atenção à Palavra de Deus que permanece para sempre.

Qual o objetivo da Palavra de Deus?

Ela nos ensina o caminho da vida e para a vida. O caminho da santidade pelo qual todos devemos andar. Sabendo que o ser humano pecou e se afastou de Deus, Ele próprio envia sua Palavra para que os homens voltem ao Caminho da Salvação.

A palavra nos purifica e nos leva a ter em nós “os mesmos sentimentos de Cristo” (Filipenses 2,5), como nos diz São Paulo. Ter os mesmos sentimentos que Cristo teve: humildade, prontidão, serviço, disponibilidade, paciência. São sentimentos necessários para que haja paz em nossas famílias e em nossas comunidades. Ao fazer esse apelo à comunidade de Filipos, São Paulo queria que eles superassem os conflitos existentes e se configurassem a Jesus Cristo. Esse apelo continua vivo e atual.

A Palavra nos convida à constante conversão. Jesus critica os sacerdotes e anciãos do povo porque ouviram o apelo de conversão que João Batista fez, mas não se converteram. Jesus repete as palavras do profeta Isaías: “Este povo somente me honra com os lábios; seu coração, porém, está longe de mim” (Mateus 15,8).

Hoje Jesus pode estar fazendo a mesma queixa para nós, que não damos atenção a sua Palavra.

Utilizando-se das palavras do profeta Ezequiel, Deus chama a atenção do povo dizendo que a sua conduta muitas vezes não é correta. Mesmo assim o Senhor se coloca compassivo, pronto a perdoar àqueles que se arrependerem de verdade.

Precisamos aprender com o Filho o que é viver a Palavra do Pai. Vemos que acolher não é fazer lindos discursos, mas vivê-la. Fazer da Palavra de Deus um hábito diário na nossa vida.

Jesus é exemplo para todos. Termino essa reflexão com as palavras de São Paulo falando da vida e missão de Jesus Cristo:

“Ele tinha a condição divina, mas não Se apegou à sua igualdade com Deus. Pelo contrário, esvaziou-Se a Si mesmo, assumindo a condição de servo e tornando-Se semelhante aos homens. Assim, apresentando-Se como simples homem, humilhou-Se a Si mesmo, tornando-Se obediente até a morte, e morte de cruz! Por isso, Deus O exaltou grandemente, e Lhe deu o Nome que está acima de qualquer outro nome, para que, ao Nome de Jesus, se dobre todo o joelho no Céu, na Terra e sob a Terra; e toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai”. (Filipenses 2,6-11).

Pe. Hermes José Novakoski


LITURGIA DO 26º DOMINGO DO TEMPO COMUM 
I Leitura: Ezequiel 18,25-28
Salmo 24(25)
II Leitura: Filipenses 2,1-11
Evangelho: Mateus 21,28-32.