16 de maio de 2012

RS é campeão no país em repetência no Ensino Médio

A reportagem "RS é campeão no país em repetência no Ensino Médio" traz os resultados assustadores em que se encontra a educação neste estado. Reprovação é ruim? Sim, é. Porém, pior que isso é aprovar alunos que não sabem nada só para dizer que a escola têm índice de reprovação zero. Isso é um absurdo que acontece em muitos estados, em muitas escolas municipais e estaduais. Hoje não estou numa sala de aula, mas acompanho de perto jovens estudantes e vejo que se repete o mesmo problema de quando lecionava: muitos alunos são aprovados sem estarem preparados para a próxima etapa. Por isso, antes de olhar os índices de reprovação em cada escola e estado, deveria-se olhar a qualidade do ensino. O que os alunos sabem é o suficiente para serem aprovados? O ENEM têm mostrado a cada ano que o nível de conhecimentos dos nossos estudantes ainda é insuficiente.


Outro caso que penso ser gravíssimo é ter estudantes na graduação que não conseguem sequer fazer uma interpretação de texto ou escrever uma redação. Quando é solicitado um trabalho o aluno nem sabe por onde começar. E aí, quem errou? Adiante reprovação zero neste caso?


O Ensino Fundamental e Médio do nosso país precisa melhor e não adianta apenas aprovar todos para ter pesquisas bonitas com reprovação zero. O que falta é QUALIDADE!


Hermes J. Novakoski

************

Acompanhe abaixo a reportagem de Marcelo Gonzatto e Nilson Mariano publicado no site do Jornal Zero Hora.


A cada ano, perto de 300 mil alunos são afetados por um dos mais graves problemas da educação gaúcha: o alto índice de reprovação.

Esse fenômeno atrasa o fluxo estudantil de 19,9% dos estudantes do Ensino Médio em estabelecimentos públicos ou privados — o que torna o Estado campeão nacional de repetência nessa etapa. Além disso, afeta 14,2% dos matriculados no nível Fundamental, compromete o desempenho em sala de aula e é uma das principais razões para a desistência. Apenas na rede estadual, a retenção e o abandono escolar representam um desperdício de R$ 790 milhões por ano.

O mais estreito funil do ensino gaúcho está nas escolas estaduais e municipais. E, nessas redes, principalmente no Ensino Médio. No 1º ano, a reprovação chega a reter quase um terço dos alunos, conforme dados de 2010. O Fundamental também apresenta índices elevados, superando os 17% na rede estadual.

Considerando-se o que o Estado gasta para custear o ensino, a reprovação e a desistência — que leva um a cada 10 estudantes a deixar os estudos — desperdiçam o equivalente a R$ 384 milhões no Fundamental e R$ 406 milhões no Médio por ano. Isso representa um quarto dos R$ 3,2 bilhões investidos em 2011 nessas duas faixas.

— Essa perda material, somada à perda social, faz com que essa seja uma das questões mais graves da educação hoje — admite o secretário estadual da Educação, Jose Clovis de Azevedo.

Uma das explicações levantadas por especialistas para o mau desempenho gaúcho seria a vocação precoce para o trabalho. Mas os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) não sustentam essa crença: 2,9% dos adolescentes de 15 a 17 anos trabalham — abaixo da média nacional de 3,1%. Resta, então, a hipótese de que os rio-grandenses apostam na repetência como recurso pedagógico por razões culturais.

— Podemos conjecturar que é um Estado com cultura escolar de maior rigidez e sem política específica para evitar reprovações — avalia a diretora-executiva do Todos pela Educação, Priscila Cruz.

Azevedo afirma que a proposta de reforma no Ensino Médio, que desagrada ao Cpers, é uma tentativa de mudar esses índices. Para a ex-secretária da Educação Mariza Abreu, o Estado ficou à margem das discussões sobre os malefícios da retenção feitas no país a partir dos anos 90.

— A implantação dos ciclos em Porto Alegre não teve bons resultados, então ficou no inconsciente coletivo a impressão de que reprovar é melhor do que a aprovação automática — acredita Mariza.

Outro grande problema é que, segundo pesquisas indicam, a repetência não ajuda em nada a nota do aluno. Lançado este ano, o relatório De Olho Nas Metas, do Todos pela Educação, demonstra que 47% dos estudantes das séries iniciais do Fundamental que nunca rodaram alcançam o desempenho esperado em matemática. No caso dos estudantes que estão fora da seriação adequada, apenas 25% atingem o resultado desejado. Assim, o ciclo da repetência se perpetua.