21 de agosto de 2012

Desigualdade na América Latina

É ANO ELEITORAL. VALE A PENA SABER DISSO. OS CANDIDATOS QUE ESCOLHEMOS AJUDAM A MUDAR OU A PIOR ESTE QUADRO. VOCÊ PODE AJUDAR A SER DIFERENTE. Veja a notícia abaixo.

Brasil é o quarto país da América Latina com maior desigualdade na distribuição de renda, diz ONU

Relatório apresentando por agência das Nações Unidas mostrou panorama do continente

Entre os países com maior desigualdade de distribuição de renda da America Latina o Brasil figura em posição destaque: está em quarto lugar, logo depois de Guatemala, Honduras e Colômbia.

É o que aponta o relatório O Estado das Cidades da América Latina e Caribe-2012, apresentado pela agência ONU-Habitat hoje no Rio de Janeiro.

O continente, região com 588,6 milhões de habitantes, considerada desde os anos 1970 a mais desigual do mundo, 20% da população mais rica têm em média uma renda per capita quase 20 vezes superior à renda dos 20% mais pobres.

— O principal desafio é como combater as desigualdades que existem nas cidades. É uma contradição bem grande do modelo econômico da América Latina em geral — disse Erik Vittrup, especialista da ONU-Habitat.

Na região, os países menos desiguais são Venezuela, Uruguai, Peru e El Salvador.

"A desigualdade de renda é extremamente elevada. Há um déficit considerável de emprego e uma abundante informalidade, que se concentra nos jovens e nas mulheres", informa o relatório da ONU.

Apesar dos progressos feitos por América Latina e Caribe nos últimos 10 anos, 124 milhões de pessoas vivem na pobreza nas cidades, mais da metade no Brasil (37 milhões) e no México (25 milhões).

Mais de um quarto da população urbana, 111 milhões de pessoas, vive em favelas, um número maior do que há 20 anos, segundo a ONU.

O número de cidades na região aumentou seis vezes em 50 anos. A metade da população urbana, 222 milhões de pessoas, mora em cidades com menos de 500.000 habitantes e 14% (65 milhões de pessoas) vivem em megacidades, destacou o relatório, intitulado "O estado das cidades da América Latina".

O documento destaca com preocupação que as cidades latino-americanas continuam se expandindo fisicamente de uma forma que "não é sustentável", apesar da desaceleração demográfica.
Link site Zero Hora