27 de agosto de 2015

ENSINAR A CUIDAR DO CORAÇÃO

Chegamos ao último domingo do mês de agosto e queremos rezar e refletir sobre a bonita missão que exercem em nossas comunidades os catequistas. Agem por amor ao Reino, na gratuidade de quem é amado por Deus e quer compartilhar este amor.

Os primeiros catequistas são os nossos pais ou àqueles com quem vivemos desde o nascimento. É missão deles nos educarem na fé e na doutrina cristã; na fé em que fomos batizados. Além desta educação na fé, recebemos a educação de princípios, valores, leis. Esta se torna a base para toda a vida. Depois teremos que purificar o que recebemos, mas sempre servirá de referência.

Quantas famílias batizam seus filhos na Igreja Católica e depois dizem: “meu filho vai escolher qual religião quer seguir quando crescer!” Que pensamento triste e lamentável. Se você pediu o sacramento do Batismo para teu filho, afilhado, é porque você acredita que este seja o caminho para Deus e têm o dever de ensinar e transmitir a fé na qual a pessoa foi batizada. Certamente você não deixará seu filho escolher ser traficante, assaltante, bandido, mas ensinará o caminho correto. Então por que não ensinar também o caminho da fé? Sacramento do Batismo não é brincadeira e precisa ser vivido no dia a dia para nos garantir a salvação.

A Palavra de Deus deste domingo é bastante sugestiva para o dia do catequista. Na Leitura do livro do Deuteronômio (4,1-2.6-8), Moisés exorta o povo a ouvir com atenção e cumprir a Lei de Deus. Aí estará a sabedoria deles. E ainda ele chama a atenção para o fato de que nenhum outro deus falou tão de perto aos seus, como o Senhor Deus. Isso deve servir de motivação para eles não desanimarem nas dificuldades da vida e para guardarem com amor esta Palavra ouvida.

Aí no Evangelho (Marcos 7,1-8.14-15.21-23) Jesus reforça e lembra que não basta saber, conhecer a Lei, a Palavra de Deus. É preciso conhecer e também viver. Ela tem que se transformar vida na nossa vida, no nosso cotidiano. Porque se não, seremos como os fariseus e mestres da lei, que sabem ensinar, mas não se animam a viver. Isso acaba se tornando hipocrisia.

Esta Palavra revelada por Deus muito antes de Jesus e que n’Ele tem a sua plenitude, somos chamados a conhecer. Conhecendo, Ela deve nos inspirar e transformar nossa vida e o nosso coração. Porque se ela não entra no mais íntimo de nós, ela continua sendo palavra vazia e sem vida; uma palavra qualquer.

E vejam que interessante o que está no final do Evangelho. Jesus disse: “Escutai todos e compreendei: o que torna impuro o homem não é o que entra nele vindo de fora, mas o que sai do seu interior. Pois é de dentro do coração humano que saem as más intenções, imoralidades, roubos, assassínios, adultérios, ambições desmedidas, maldades, fraudes, devassidão, inveja, calúnia, orgulho, falta de juízo. Todas estas coisas más saem de dentro, e são elas que tornam impuro o homem”.

Enquanto a Palavra de Deus não se torna vida na nossa vida, ela não é transformada. É o nosso coração que precisa ser mudado, antes de tudo. Esta é a parte mais difícil. Muitos de nós sabemos de cor muitos versículos da Bíblia. Gritamos, emocionamos os outros, mas não vivemos o que conhecemos e pregamos. Hoje estamos cheios de fariseus que tem a receita pronta para os outros. Sabem dizer o que os outros tem que fazer; mas não vivem e não fazem. Do que adianta então conhecer? O conhecer tem que ser seguido pelo viver para que a Palavra de Deus não se torne vazia.

Hoje vivemos num tempo privilegiado quanto ao acesso à Palavra. Temos Bíblia das mais diversas editoras. Sites com a liturgia diária. Aplicativos que podem ser baixados nos smartphones. Por que será então que esta palavra é tão pouco conhecida e o pior, tão pouco vivida? Conhecer é até cômodo, mas transformar esta Palavra em vida é um desafio, porque precisamos sair do nosso comodismo e do nosso mundinho. A falta de vivência da Palavra se reflete cada vez mais num mundo egoísta e cheio de maldades.

Mas tem muitos que dão este passo na sua vida. Temos muitos exemplos nas famílias e na Igreja. O Papa Francisco é um deste homens que tem sido Evangelho vivo para todos nós. Temos ainda bispos, sacerdotes, religiosos/as e muitos leigos/as que também fizeram este caminho, onde a Palavra não é apenas lida, mas rezada e vivida. Todos os que nos ensinam de alguma forma algo sobre a nossa fé, são catequistas, pois nos ajudam a conhecer mais a beleza dela.

Hoje destacamos os catequistas, que na sua grande maioria são leigos que foram tocados pela Palavra de Deus e sentem uma grande inquietação e precisam comunica-la. Que trabalho bonito e louvável que exercem os catequistas. Eles nos ajudam a caminhar na fé e muitas vezes suprem a deficiência deste trabalho nas famílias. Certamente todos nós lembramos com carinho dos nossos catequistas. Eles foram muito importantes para o nosso conhecimento e apaixonamento por Jesus Cristo. Deus abençoe todos eles pelo bem semeado, pelo incansável trabalho de evangelizar.

Os catequistas, ensinando a Palavra de Deus, ensinam a cuidar e a educar o nosso coração para que ele seja um espaço de Deus. E como precisamos cuidar dele, pois, como Jesus diz no Evangelho, ele é a sede das decisões. É de lá que saem as coisas boas e ruins. Quanto mais conhecer a Palavra, mais o coração e as atitudes serão transformadas. Um coração que guarda a Palavra, é um coração que transmite e vive esta Palavra. Que o Senhor nos ajude a sermos fieis aos seus ensinamentos que são verdade e vida para todos.

Pe. Hermes José Novakoski, PSDP.