4 de setembro de 2015

TUA PALAVRA NOS LIBERTA

Chegamos ao mês de setembro. A ênfase da liturgia da Igreja Católica se volta à Palavra de Deus que está sempre viva e atual junto ao povo que peregrina por este mundo rumo a Pátria definitiva.

Por que devemos ler e rezar a Bíblia? Esta pergunta certamente você já se fez e também fez para teu catequista, para os pais, para o padre ou outra pessoa que convidava você a ler e rezar.

A leitura, e muito mais do que isso, a oração feita com a Palavra de Deus faz com que nos tornemos pessoas melhores. E mais, Ela realiza o que diz. Esta expressão aparece muitas vezes no Antigo Testamento e Jesus confirma. Em Mateus 24,35 encontramos esta expressão: “O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras jamais passarão”. Além de se realizar ao longo da história, Jesus diz que a Palavra continuará sempre atual; nunca será algo do passado.

Não precisa ser um doutor, nem um teólogo ou biblista para saber disso. Basta ler e meditar a própria Palavra para se dar conta disso. A Palavra de Deus não é como as palavras dos homens que hoje dizem uma coisa e amanhã outra; hoje afirmam algo e amanhã negam. Não! Ela continua viva e atual em todos os tempos porque fala de um Deus que quer a vida em plenitude do seu povo.

Na Leitura do profeta Isaías deste domingo (35,4-7) vemos este anúncio: “Ele vem para vos salvar”. O profeta está anunciando a vinda de Jesus Cristo que fará muitos sinais, mas, por excelência, irá revelar o amor misericordioso do Pai, anunciado desde sempre. Ele mesmo, diz o Evangelista João, é o VERBO que estava junto do Pai desde a eternidade e que se fez carne. É por isso que em Jesus temos a plenitude da revelação, pois Ele é o próprio Deus que agora fala e vive junto com o seu povo.

Isaías destaca as maravilhas que acontecerão quando este dia chegar. As transformações que ocorrerão com a vinda do Filho de Deus. Serão transformações em todos os âmbitos e sentidos. No Evangelho deste 23º Domingo do Tempo Comum (Marcos 7,31-37) nós vemos tudo isso acontecendo. Jesus realiza um milagre fazendo com que um homem surdo e com dificuldades de falar seja curado.

Queridos irmãos e irmãs. A narrativa do Evangelho, assim como toda a Palavra de Deus, não tem a preocupação e o objetivo de ser um livro de histórias. Nos fatos narrados o desejo é sempre mostrar a ação de Deus na história. Os autores querem que nós também façamos a experiência de sermos libertados de nossa surdez e mudez; e de tantas outras coisas que não nos deixam viver como verdadeiros filhos de Deus. E esta libertação nos vem através da Palavra. Jesus toca no homem e fala! Sua Palavra tem o poder de transformar.

Vejam que maravilhoso. A Palavra de Deus conhecida e rezada tem o poder de transformar a minha e a tua vida. Quantas maravilhas Deus quer realizar através da Sua Palavra, mas muitas vezes ela fica esquecida, engavetada, escondida. A Palavra de Deus é o alimento que Ele nos dá para nos tornar pessoas melhores. É o Pai querendo ajudar seus filhos a seguirem pelo caminho certo.

Quando lemos a vida dos santos percebemos claramente as mudanças, os milagres que Deus operou na vida deles porque foram obedientes a Palavra; porque não desprezaram-na, mas fizeram com que Ela se tornasse vida na vida deles.

Nós somos convidados a fazermos a mesma coisa. Pois quando somos tocados verdadeiramente pela Palavra de Deus, ela vai transformando o nosso coração e vai nos tornando pessoas melhores.

Quando resistimos à Palavra de Deus é porque não queremos ser renovados e transformados por ela. Queremos continuar no nosso mundinho, nos nossos pecadinhos e perdemos a grande oportunidade de sermos pessoas livres no amor. Deixamos passar a grande oportunidade que o Pai nos dá para nos tornamos pessoas melhores.

Quantos males seriam evitados no mundo se a Palavra de Deus fosse mais conhecida, rezada e vivida. Conhecida até ela é. Temos hoje uma imensidade de pessoas que tem acesso a Palavra de Deus quase diariamente. Mas são poucos que a vivem. Porque quando vivemos a Palavra, ela nos vai orientando de uma forma tal, que ajuda a evitarmos o pecado.

O grande mal dos nossos tempos é querer fazer da Palavra de Deus um livro de receitas para soluções mágicas dos nossos problemas. Este é um dos grandes pecados da atualidade. Usamos indevidamente a santa Palavra de Deus. Quase que obrigamos Deus a fazer coisas através de uma leitura fundamentalista e simplesmente interesseira. Queremos dobrar Deus para que Ele realize nossos desejos e interesses e se Ele não faz, o culpamos pelos males que nos cercam. Quando ignorância!

Aquilo que São Tiago (2,1-5) escreve continua sendo válido. Ele exorta os seus dizendo que “a fé que tendes em nosso Senhor Jesus Cristo glorificado não deve admitir acepção de pessoas”. Porque a Palavra nos torna irmãos. Entendes agora porque muitas vezes resistimos à Palavra? Porque ela nos provoca e nos compromete e quando estamos fazendo algo errado, ela serve de ‘puxão de orelha’ para nós. Então a Palavra é para nos transformar, para nos tornar pessoas melhores e não para ser manipulada e usada para ganhar dinheiro e se enriquecer. Quantos são ameaçados por pessoas que usam da Palavra de Deus maldosamente e como são pouco informados, ficam com medo e se dobram a estes traidores e fariseus.

Mas, vejam que beleza. Hoje podemos nos alimentar da Palavra. Ela tem que se tornar um alimento que precisa ser bem mastigado para podermos sentir o verdadeiro sabor. As vezes ela se torna amarga porque nos desafia diante dos nossos pecados e limitações, mas vai se tornando doce a medida que a nossa vida se torna mais de acordo com o projeto de Deus.

Queremos com esta liturgia renovar nosso desejo que viver ainda mais e melhor a Palavra de Deus. Vamos deixar que ela nos liberte; que abra nossos ouvidos para podermos escutá-la de verdade e assim possamos soltar nossa língua para testemunhá-la aos irmãos. E assim como Jesus, outros possam olhar para nós e dizer: “Ele tem feito bem todas as coisas”.

Abençoado domingo e mês de setembro.

Pe. Hermes José Novakoski, PSDP.