23 de outubro de 2015

JESUS, TEM PIEDADE DE MIM!

Neste 30º Domingo do Tempo Comum, o Evangelho (Marcos 10,46-52) nos convida a estar atentos aos que estão à beira do caminho, a exemplo de Bartimeu.

Hoje a cena continua se repetindo. Encontramos muitos à margem da vida gritando por misericórdia. Assim como no tempo de Jesus, a tentação é tentar abafar estes gritos e esconder os que gritam, porque é feio, vergonhoso mostrar isso. Muitas vezes também nós não queremos ver e nem ouvir estes gemidos.

Quando escuta os gritos de clamor de Bartimeu, Jesus para e manda chama-lo para que se apresente a Ele. Nossa missão é levar também as pessoas a Jesus, especialmente aquelas que não o conhecem.

Hoje vemos muitos gritando nas ruas, nos corredores dos hospitais, nas prisões, escravidão, tráfico humano, prostituição, abuso.... São vidas gritando por misericórdia mas que nem sempre encontram ouvidos atentos a estes clamores.

Tem fatos que chamam muito a nossa atenção. Conheci uma criança que precisava de atendimento na UTI de um hospital de Belém. Como não foi atendida a tempo, foi a óbito. Profissionais que juraram lutar pela vida as vezes se mostram tão indiferentes. Poderíamos ilustrar muitas outras situações como estas. Mas o que gostaria de frisar com este acontecimento é a frieza e a indiferença em que vivemos. Cada dia que passa os sentimentos de compaixão, amor estão ficando engavetados. Ou só tratamos quando recebemos algo em troca, geralmente dinheiro. A vida não tem mais valor em si, mas pelo montante de dinheiro ou bens que se tem.

Jesus nos ensinou o caminho que leva ao céu. Deixou bem claro que a fé não é só rezar, mas deve se transformar em caridade. E como nos lembra São Tiago (2,7): “A fé sem obras é morta”. Muitos destes profissionais são cristãos, rezam o terço, leem a Palavra de Deus, mas na hora de viver sua fé, se omitem. Lamentável! Hipócritas, diria Jesus!

Acompanhamos no país uma degradação gritando dos valores morais, éticos e cristãos. Estamos vivendo no ‘vale tudo e salve-se quem puder’. É vergonhoso tudo o que vemos acontecer: roubos, mentira, ganância, corrupção. Tudo isso tem se tornado cada vez mais comum. E o pior que parece ser normal. Jornais e revistas trazem diariamente uma enxurrada de podridões daqueles que deveriam ser os primeiros a honrar pela ordem e pela ética do país e que elegemos para governar e não para roubar.

A nossa missão de cristãos, frente a este cenário, torna-se cada vez mais exigente. Não podemos silenciar e nem aplaudir aqueles que nos roubam; que roubam o pão de cada dia da mesa das famílias; que roubam a esperança de um futuro melhor. Não podemos pecar também por omissão.

Jesus continua passando pelos caminhos destas misérias existenciais, mas não é mais percebido e nem ouvido. Sua voz é abafada pelos discursos vazios de políticos que não pensam no bem comum, mas apenas usam do poder para se enriquecer.

Deus nos dê sabedoria para podermos mostrar caminhos para vencer tantos pecados cometidos contra a vida!

Bom domingo. Abençoada semana! Você deve levar as pessoas à Jesus!

Pe. Hermes José Novakoski, PSDP.