30 de dezembro de 2015

MARIA, MULHER DO SILÊNCIO E DA ORAÇÃO - Reflexão 1º/01/2016


No primeiro dia do novo ano a Igreja celebra a Solenidade da Santa Mãe de Deus. O Concílio de Éfeso realizado em 431 decretou o dogma Theotókos, ou seja, Mãe de Deus. A definição da Igreja foi para acabar com certas divergências que haviam em torno da pessoa e da missão de Maria. Ao ser escolhida para ser Mãe do Filho de Deus, ele se torna Mãe de Deus.

Somos convidados com esta liturgia a olharmos com carinho a pessoa de Maria e imitarmos suas virtudes, como: oração, silêncio, contemplação, disponibilidade, amor à Deus, confiança, entrega. São elementos importantíssimos que todo cristão deveria viver.

No Evangelho (Lucas 2,16-21) é apresentada uma das características mais bonitas de quem tem fé: o silêncio diante de Deus. Lucas diz que “Maria, guardava todos esses fatos e meditava sobre eles em seu coração”. Mulher de poucas palavras, mas de muita fé e piedade.

Ela era uma mulher de muita oração e meditação. Na correria do dia a dia, corremos o risco de esquecer ou deixar de lado esta bonita atitude de Maria. A Palavra de Deus não pode ser como uma leitura de jornal feita às pressas como quem tem muitas coisas importantes para fazer. A meditação da Palavra deveria ser a primeira atividade do dia e a ela deveria ser dedicado um tempo razoável a fim de que fosse rezada, meditada e coloca em prática no decurso do dia e nas atividades a serem desenvolvidas.

Muitas vezes deixamos para a oração o tempo que sobra. Acontece que nem sempre sobra tempo. Aí usamos a famosa expressão: Deus vai entender que eu não tive tempo. Ele viu que o meu dia foi corrido e que fiz muitas coisas. Porém, Deus poderia dizer: Meu filho, minha filha. Vi sim que você de fato correu muito e fez muitas coisas, mas nenhuma delas é tão ou mais importante que a oração. Tudo o que você fez hoje teria sido mais produtivo e menos cansativo se você tivesse regado com a oração e com a minha Palavra.

Vejamos como normalmente é o nosso dia: levanta cedo, toma banho, toma café, arruma o quarto e a cozinha, leva os filhos para a escola, trabalha, almoça, corre, busca o filho na escola, prepara o jantar, limpa a casa, lava roupa, assiste TV, lê jornal ou revista, etc. Cansado, vai dormir. Cada um nas suas múltiplas atividades. Agora pensemos: o que é o mais importante de tudo o que fazemos? Encontramos tempo para tudo isso, por que não encontramos para Deus? Será que Ele não merece cinco ou dez minutos do meu dia?

Pensando bem, não falta tempo. É uma questão de escolhas. Escolhemos muito, mas as vezes escolhemos errado. Deixamos o mais importante de lado, em segundo plano. Nos preenchemos tanto com as coisas superficiais, que as essenciais não têm espaço.

Aprendamos de Maria e nunca deixar de lado o que é mais importante na nossa vida. Buscando o Senhor em primeiro lugar, Ele nos dará tudo o que precisamos para viver.

Termino trazendo a primeira leitura do Livro dos Números (6,22-27) que traz a bênção de Moisés: ‘O Senhor te abençoe e te guarde! O Senhor faça brilhar sobre ti a sua face, e se compadeça de ti! O Senhor volte para ti o seu rosto e te dê a paz!’ E que assim, ao longo deste novo ano, sejamos também nós instrumentos de bênçãos a todas as pessoas com quem nos encontrarmos.

Pe. Hermes José Novakoski, PSDP.