24 de março de 2016

CRUZ! ÁRVORE DA VIDA NOVA (6ª-Feira Santa)

Amados irmãos e irmãs. Estamos diante do grande mistério da Cruz onde não é preciso falar muito. Gostaria de convidar todos os cristãos a contemplarem em silêncio a Cruz de Cristo. Teremos na Celebração da Sexta-feira Santa o rito de adoração da Cruz. Por ela nos veio a salvação.

Gostaria de chamar a atenção para um fato que vem se tornando rotineiro em nosso país. A sexta-feira Santa tem deixado de ser um dia de profundo silêncio e oração e tem se transformado em um dia qualquer. Ou como querem as autoridades, simplesmente um feriado. Por providência li uma frase que retrata bem isso: “Católico passa a Semana Santa aos pés da Cruz, não na beira da praia!”

Um dos grandes problemas da atualidade e que tem se tornado um desafio cada vez maior, é o afastamento das pessoas da Igreja e a falta de compromisso com a verdade do Evangelho e as práticas de piedade. Quantos dizem-se Católicos mas que vivem de qualquer jeito? Quantos que se diziam Católicos abandonaram a Igreja de Jesus Cristo para seguir caprichos? Lembremo-nos que Jesus morreu para nossa Salvação. Merecemo-la!

Como no Brasil é feriado, oferecem-se múltiplas opções para passeio, cinema, diversão. E o pior que muitos de nós embarcamos nesta onda de deturpação dos valores cristãos e achamos ser normal. Nem sempre o que muitos fazem é a verdade e o caminho de felicidade.

Outro aspecto que me preocupa muito é ver que a Paixão de Jesus tem se tornado espetáculo. Fico triste até em ter que escrever isso. Fazem-se belos teatros sobre a Paixão de Jesus. Estamos romantizando de mais este gesto que foi tão cruel. Aí deixamos de participar da celebração da Paixão que a Igreja propõe, tão rica, e vamos assistir ao espetáculo.

Povo de Deus! Jesus não fez nenhum espetáculo da Cruz. Ele não foi pregado para fazer teatro ou para brincar de faz de conta. Ele foi CONDENADO, TORTURADO, PREGADO na Cruz e aí MORREU numa das cenas mais tristes e doloridas da humanidade, para nossa Salvação. Por isso este dia deveria ser um dia de grande silêncio para toda a humanidade. É o dia do silêncio de Deus para manifestar a sua glória na celebração da Páscoa. Cuidado para não estarmos ridicularizando a cruz de Cristo que foi marcada pelo sofrimento, pela entrega, pela doação total.

Entende-se porque queremos teatralizar a Cruz. É porque temos medo de assumir a nossa própria Cruz. Precisamos resgatar a dimensão do sofrimento, como meio de santificação e purificação e o silêncio, como momento de encontro com Deus. Claro que não precisamos ser masoquistas e nem terroristas buscando a mutilação, mas também não podemos ficar fugindo e reclamando de qualquer coisinha que nos acontece.

O excessivo barulho em que vivemos é um profundo medo de se encontrar consigo mesmo e com Deus. Aí busca-se preencher o dia, as horas de silêncio com músicas, televisão, celular. O silêncio tem se tornado algo insuportável para alguns. Quem não gosta do silêncio, não gosta de estar consigo mesmo e com Deus.

Feito esta observação (e desabafo), gostaria então de convidar que todos os católicos fossem neste grande dia contemplar o mistério da nossa Salvação que passa pela Cruz. Não quero com isso tirar a centralidade da Páscoa. Ela é a grande festa por excelência. Porém, cuidado para não buscarmos apenas a Páscoa e esquecermos de que para chegar lá houve muito sofrimento e dor.

Na narração da Paixão, vemos como as estruturas do mal não aceitam o Bem! Fazem de tudo para silenciar aquele que promove a vida. Jesus não entra na jogada deles, por isso fala muito pouco. Deixa tudo acontecer, porque Ele tem uma surpresa maior para revelar na Páscoa. Aparentemente está tudo acabado. Mas Deus nunca deixa o sangue inocente ser derramado em vão. Fará da cruz e da morte do seu Filho a ponte da Salvação eterna para todos, seja os que vieram antes e os que virão depois, até a consumação dos tempos.

Nesta celebração temos a Oração Universal que reza por diversas circunstancias, momentos e pessoas. Aí são incluídos todos porque somos filhos do mesmo Pai e Jesus morreu para todos, mesmo para aqueles que não acreditam e que não o buscam. Seguindo temos a Adoração da Cruz. Hoje nós adoramos a Cruz porque ela se tornou árvore da vida, da esperança da vida eterna. Por ela nos veio a salvação.

Abençoada celebração. Vamos crucificar nossos pecados para ressuscitar com Cristo em sua Páscoa e assim termos vida nova.

Pe. Hermes José Novakoski, PSDP.