15 de abril de 2016

AS MINHAS OVELHAS ESCUTAM A MINHA VOZ

O 4º Domingo da Páscoa, conhecido como Domingo do Bom Pastor, é o Domingo em que a Igreja no mundo todo convida seus fiéis a lembrarem da sua missão de rezar pelas vocações sacerdotais. Os ministros ordenados são os pastores que estão a frente da Igreja de Cristo e que orientam o povo de Deus no caminho de fé. Faltando sacerdotes não teremos mais Eucaristia e nem os sacramentos.

A Liturgia da Palavra deste final de semana traz muito forte o elemento da escuta. Só quem sabe escutar, consegue obedecer. Quando escutamos, compreendemos e sabemos o que se pede. Quando não sabemos escutar, temos dificuldade em obedecer.

Ouvimos no relato dos Atos dos Apóstolos (13,14.43-52) que ao discurso dos Apóstolos “quase toda a cidade se reuniu para ouvir a Palavra de Deus” percebemos como os recém convertidos sentiam a necessidade de ouvir a voz de Deus através dos Apóstolos.

No Evangelho (João 10,27-30) Jesus diz que “as minhas ovelhas escutam a minha voz, eu as conheço e elas me seguem. Eu dou-lhes a vida eterna e elas jamais se perderão”. Jesus como o Pastor verdadeiro, fala e as suas ovelhas gostam de escutar a sua voz. Elas precisam escutar para saber o que fazer.

Queridos e amados irmãos e irmãs. Hoje existem cursos e escutatória, ou seja, cursos em que ensinam a escutar. Por um lado, ele é bom para os profissionais como psicólogos e outras pessoas que trabalham na área. Por outro, parece até soar meio estranho um curso que ensine a escutar. Na área profissional é interessante porque ajuda a pessoa a escutar e diferenciar o que o outro fala e não misturar com problemas pessoais.

Acredito que todos precisaríamos fazer este curso. Em um mundo onde uma grande maioria gosta de falar muito, temos poucas pessoas que sabem de fato escutar. Porque escutar requer prestar atenção ao que é dito de fato e buscar sentir a intensidade com que a pessoa fala. O modo de falar também expressa muitas coisas, por isso é importante estar bastante atento e não só ficar naquilo que a pessoa diz.

Assim como temos dificuldades em escutar as pessoas, também a temos em relação a Deus. Em nossos momentos de oração, seja missa, terço, novena, estamos habituados a falar muito e escutar pouco. Acredito que a oração deveria ser mais de escuta do que de fala porque temos mais a aprender de Deus. Claro que algumas orações, como a santa missa, são por sua natureza orações do povo e da Igreja. Mas dentro dela estão previstos momentos de silêncio, ainda que breves. Lamentavelmente estes momentos não são respeitados.

Neste Domingo, assim como em todos, a Palavra de Deus merece grande destaque. Ela deve ser sempre proclamada em bom tom para que seja escutada e compreendida por todos. Quanto mais escutamos a Palavra, mais vamos criando gosto por ela. Ou pelo menos deveríamos. O problema é que nem sempre escutamos, mas somente ouvimos. Assim ela se torna uma leitura qualquer.

Todos os filhos de Deus deveriam sentir uma grande alegria ao ouvirem Deus falar. Jesus no Evangelho diz que as suas ovelhas escutam a sua voz e que Ele as conhece e elas o seguem. A escuta gera obediência e uma relação fraterna e amiga. Estamos de fato escutando a Palavra de Deus?

Falar de vocação é por excelência falar de escuta. Toda vocação nasce de um chamado. Todo chamado requer uma resposta e uma ação. O problema é que quando não sabemos escutar, consequentemente não sabemos o que fazer.

Entendo que o problema maior hoje, no campo vocacional, é a surdez. Os fones de ouvidos e o barulho excessivo nos torna surdos e sem tempo para escutar a Deus que continua chamando, mas poucos reconhecem sua voz, o escutam e o seguem. Nós queremos falar mais do que Deus dizendo para Ele como nós queremos que as coisas sejam, nos esquecendo que é Ele o nosso criador. Tagarelamos tanto que não temos tempo para escutar o Bom Pastor. Muitos se perdem no meio do caminho por não saberem escutar a voz de Deus.

Papa Francisco em sua mensagem ao 53º Dia Mundial de Oração pelas Vocações exorta “todos os fiéis a assumirem as suas responsabilidades no cuidado e discernimento vocacionais”. Todos e não somente os sacerdotes e religiosos são chamados a se comprometerem com as vocações. É missão da comunidade cuidar, zelar, rezar pelas vocações. São claros os sinais de uma comunidade que tem uma cultura vocacional. Para ela não faltam vocações.

Bonito quando este caminho é feito junto com a comunidade. “O caminho vocacional é feito juntamente com os irmãos e as irmãs que o Senhor nos dá: é uma con-vocação. O dinamismo eclesial da vocação é um antídoto contra a indiferença e o individualismo”.

Importante saber que “a vocação é sustentada pela Igreja. Depois do compromisso definitivo, o caminho vocacional na Igreja não termina, mas continua na disponibilidade para o serviço, na perseverança e na formação permanente. Quem consagrou a própria vida ao Senhor, está pronto a servir a Igreja onde esta tiver necessidade. A missão de Paulo e Barnabé é um exemplo desta disponibilidade eclesial. Enviados em missão pelo Espírito Santo e pela comunidade de Antioquia (cf. Act 13, 1-4), regressaram depois à mesma comunidade e narraram aquilo que o Senhor fizera por meio deles (cf. Act 14, 27). Os missionários são acompanhados e sustentados pela comunidade cristã, que permanece uma referência vital, como a pátria visível onde encontram segurança aqueles que realizam a peregrinação para a vida eterna”.

Vamos oferecer a missa deste final de semana pelas vocações. Vamos rezar sempre pelas vocações. Pedir ao Dono da Messe que continue chamando e que encontre corações generosos que o escutem e que o sigam. Rezemos para que nossas famílias sejam berço das vocações. Que nossas crianças e jovens encontrem nos lares o apoio e o incentivo necessário para este caminho. Deus abençoa aqueles que rezam pelas vocações e aquelas famílias que doam seus filhos para esta belíssima missão.

No Centro de Orientação Vocacional Nossa Senhora de Nazaré, onde trabalho, juntamente com mais dois irmãos, temos jovens que fazem este caminho de discernimento vocacional. Temos um grupo de quase duzentas famílias que caminha conosco apoiando de diversas formas as vocações. Venha fazer parte desta grande família que reza pelas vocações. Veja, clicando aqui, como fazer parte do PROJETO AMIGOS DAS VOCAÇÕES do COV Nazaré em Marituba. Continue apoiando as vocações na comunidade onde você está inserido. Lá eles também precisam de você.

Deus abençoe a todos.

Pe. Hermes José Novakoski, PSDP.