10 de junho de 2016

TUA FÉ TE SALVOU!

Amados irmãos e irmãs em Cristo Jesus. Chegamos aos 11º Domingo do Tempo Comum e continuamos nossa peregrinação aprendendo com o Mestre. Ele vai ao encontro daqueles que necessitam da Sua Misericórdia e se deixa tocar por todos. Não faz discriminação e nem acepção de pessoas. Para Ele todos somos filhos amados independentemente da condição em que nos encontramos. Ele quer que façamos experiência do seu amor; que sejamos tocados pela sua graça. Ela nos transforma.

A Palavra de Deus tem vários elementos que merecem destaque. Na Primeira Leitura de Samuel (2Sam 10,7-10.13) Natã recorda a Davi as consequências das escolhas erradas que ele faz e os pecados por ele cometidos. “Por que desprezaste a palavra do Senhor, fazendo o que lhe desagrada”? Os erros que se sucedem são pelo fato de ter abandonado a Palavra de Deus.

No Evangelho (Lucas 7,36-8,3) um fariseu convida Jesus para uma refeição em sua casa. Aí acontece uma cena que incomoda o fariseu que estava preocupado com as leis e os ritualismos que ele tinha aprendido e colocava em prática. O fariseu sente-se irritado quando “certa mulher, conhecida na cidade como pecadora” foi até a sua casa para se encontrar com Jesus. Na visão e na compreensão do fariseu, aquela mulher não poderia tocar em Jesus e nem Ele deixar-se tocar por ela. Jesus teria ficado impuro e não poderia continuar à mesa.

Jesus aproveita a cena para fazer uma belíssima catequese a este fariseu e a todos nós. O gesto de amor daquela mulher mexeu com o coração de Deus, por isso Jesus a acolhe e perdoa. Enquanto o fariseu fica preocupado com a purificação exterior, Jesus se preocupa com a purificação interior. Naquele momento, aquela mulher estava aprendendo mais de Jesus do que o conhecedor da Lei. Ela viu em Jesus a possibilidade de mudar de vida. Diante do ocorrido Jesus diz: “Os muitos pecados que ela cometeu estão perdoados porque ela mostrou muito amor”.

Estimado irmão, estimada irmã. Você tem expressado o teu amor por Jesus de que forma? A caridade é a mais brilhante de todas as ideias e formas pois ela nos faz sair de si mesmos e ir de encontro com o coração ferido dos nossos irmãos e irmãs.

Terminando Jesus vai além ao dizer: “Tua fé te salvou. Vai em paz”! Aqui ela recebe o perdão de Deus que a convida a não pecar mais. O verdadeiro encontro com o Senhor é transformador. Quando sua misericórdia nos toca, não conseguimos permanecer na mesma vida. Aí, como nos diz São Paulo quando escreve aos Gálatas, “eu vivo, mas não eu, é Cristo que vive em mim. Esta minha vida presente, na carne, eu a vivo na fé, crendo no Filho de Deus, que me amou e se entregou por mim”. Porque nos amou e se entregou por nós, Ele merece o nosso firme propósito de uma mudança de vida.

Quando passamos a viver n’Ele, como São Paulo, conseguimos vencer nossas misérias. Precisamos nos abaixar aos seus pés, como fez a mulher, clamar a Sua Misericórdia e confiar no Seu Amor. Mais do que derramar perfume e lágrimas, precisamos derramar nosso coração aos seus pés para que Ele cure todas as feridas e nos faça amar do jeito d’Ele.

Gostaria também, com tudo isso, aproveitando a riqueza que esta Palavra nos oferece, convidar você para refletir sobre as tuas escolhas. Elas são importantes porque vão determinar o teu futuro.

Vemos que Davi, mesmo conhecendo a vontade de Deus, deixa-se levar pela fraqueza e pelos desejos. Ele faz uma escolha errada. Como alertou Natã, ele fez o que desagrada ao Senhor. Depois ele se arrepende e pede perdão.

Os personagens do Evangelho também fazem suas escolhas. O fariseu convida Jesus para ir a sua casa, mas tem dificuldades de acolher Jesus em seu coração e compreender a sua dinâmica. A mulher, que já era rotulada como pecadora, toma a iniciativa e vai até Jesus e o acolhe em seu coração. Ambos se encontram com Jesus. Quem saiu transformado? No encontro que você tem com Jesus na Palavra e na Eucaristia, tem transformado verdadeiramente a tua vida? Você tem conseguido superar as limitações motivado pelo encontro com o Senhor? Permita que Cristo viva em ti verdadeiramente! Escolhe, pois a vida!

Escuto muitas pessoas reclamando da vida, das coisas, da família, do emprego. Por que será? Por que a gente gosta de reclamar? Em muitas situações reclamamos das consequências de nossas escolhas erradas. Escolhemos o que é mais fácil, cômodo, aparentemente bom. As grandes conquistas da vida, seja no âmbito profissional como no espiritual são alcançadas com muito esforço, dedicação, trabalho, empenho, determinação. Não podemos apenas ficar no degrau do desejo e do gosto ou não gosto. O caminho do crescimento humano e espiritual é exigente!

Abençoado Domingo e uma semana cheia de bênção e paz!

Pe. Hermes José Novakoski, PSDP.