22 de julho de 2016

SENHOR, ENSINA-NOS A REZAR

Amados irmãos e irmãs em Cristo Jesus. Louvamos e bendizemos a Deus por estarmos concluindo mais uma semana e assim, com muita alegria e disposição, sob a bênçãos de nosso Deus maravilhoso, iniciarmos uma nova semana.

Reunimo-nos como filhos amados para escutar a Palavra que nos ensina e orienta; rever os irmãos de caminhada e receber Jesus presente na Eucaristia. Eis a tríplice dinâmica da santa missa sem a qual o Católico não consegue viver bem a sua fé.

Neste 17º Domingo do Tempo Comum vamos fazer como os discípulos de Jesus pedindo que o Mestre nos ensine a rezar e nos conscientize da importância da oração em nossa vida pessoal e familiar. Sem a oração a nossa vida se torna árida. Nossos pensamentos e sentimentos são contagiados por tantas coisas ruins que nos afastam do amor de Deus.

O grande clamor deste Domingo é: “SENHOR, ENSINA-NOS A REZAR!” Sim! É um clamor que não deve sessar em nós pois nem sempre sabemos como rezar; nem sempre sabemos a oração que agrada ao Senhor.

Primeiro aspecto que precisamos ressaltar ao falar da oração é que precisamos rezar sempre. Assim como um atleta precisa estar sempre se exercitando para não sair de forma e não esquecer o que precisa fazer, assim também na vida espiritual. Quanto mais rezamos mais vamos nos aproximando de Deus e a nossa relação com Ele vai se aperfeiçoando.

O Evangelho (Lucas 11,1-13) inicia dizendo: “Jesus estava rezando num lugar deserto!” Precisamos de momentos de intimidade com Deus no silêncio externo e interno. Rezar enquanto trabalha ou está caminhando vale? Vale! Mas não pode ser somente assim. Precisamos de momentos de comunhão íntima com nosso Deus que acontece por excelência no silêncio.

Segundo aspecto: é dever dos pais, catequistas, educadores ensinar a rezar a quem não sabe. Jesus ensinou seus discípulos. Nós também precisamos ensinar outros a rezar.

Um terceiro elemento é a confiança em Deus. Rezar com fé e pedir que Ele aumente a nossa fé. Jesus recomenda: “pedi e recebereis; procurai e encontrareis; batei e vos será aberto!” Quantas vezes rezamos desconfiados ou colocando condições a Deus. Nossa oração precisa ser de confiança total, como também vemos a oração de Abraão no livro do Gênesis (18,20-32). Ele, estando na presença do Senhor (cf v. 22), reza com total confiança e é atendido.

Gostaria também de frisar um quarto elemento sobre a oração. Quando rezamos a bênção de Deus não chega somente até nós, mas também às pessoas que estão ao nosso lado. Imagino a oração como um grande guarda-chuva que além de nos proteger, protege os que estão a nossa volta. Por isso precisamos rezar sempre e rezar mais. Este é um aspecto que precisa ser resgatado com urgência.

Vemos crescer nas famílias, nas comunidades, no mundo a injustiça, o ódio, a discórdia, a violência. A principal causa de tudo isso é o afastamento de Deus, a falta de oração. É claro que Deus não vai ficar intervindo em nossa vida e na história como um mágico eliminando os problemas que criamos. Mas Ele pode inspirar a todos boas ações e assim evitarmos que muitos problemas sejam criados. Aí entra o nosso papel, a missão dos cristãos: rezar! Rezar mais e com confiança. A oração chega lá onde nós não podemos chegar e realiza o que nós não podemos realizar.

Então vamos ao encontro do Senhor que nos espera todos os dias com sua Palavra e na Eucaristia. Abençoado Domingo e semana!

Pe. Hermes José Novakoski
Pobre Servo da Divina Providência