15 de setembro de 2016

VÓS NÃO PODEIS SERVIR A DEUS E AO DINHEIRO

Queridos irmãos e irmãs em Cristo Jesus. Neste mês da Bíblia, deixemos que a Palavra de Deus toque ainda mais no profundo do nosso coração e nos torne sempre mais dóceis. Que o Espírito Santo derrube todas as barreiras e resistências que existem em nós e impedem de sermos ainda mais felizes e servirmos com maior generosidade esse Deus maravilhoso que sempre nos ama.

As exortações que as Leituras deste 25º Domingo do Tempo Comum nos trazem são pertinentes e podemos alcançar estas virtudes se vivermos a Palavra de Deus em nosso dia a dia. Quando ela consegue ser o parâmetro pelo qual olhamos as coisas e decidimos pelas nossas ações, ela está se tornando vida em nossa vida e assim é uma Palavra que transforma. A Palavra é sempre viva e eficaz, porém depende da nossa disponibilidade de deixa-la nos modelar e transformar.

A primeira Leitura (Amós 8,4-7) o Profeta Amós denuncia o erro, a injustiça que as autoridades cometiam com as pessoas simples e humildes. A adulteração nas medidas, pesos são formas de prejudicar os trabalhadores que dependem do que produzem para viver. Vemos como estes pecados continuam presentes ainda hoje. Em muitos lugares é colocado o crucifixo de Cristo e sob ele são cometidos injustiças e crimes. Quantos inocentes são condenados a fome, prisão, exclusão porque alguns poucos mudam as regras e as leis para benefício próprio. Um cristão jamais deveria fazer isso. Ele deveria usar sempre da verdade em todas as relações, inclusive nos negócios.

Oportuno o que São Paulo recomenda em sua carta a Timóteo (2,1-8). A preocupação do cristão e as nossas orações devem ser por todos, inclusive pelos poderes públicos. A Igreja recomenda que em todas as missas, uma prece seja feita nesta intenção. As vezes passa despercebida esta necessidade. Precisamos rezar pelos que governam nosso país, nossos estados e nossos municípios. Quantos usam o nome de Deus para cometer injustiças, roubar e matar.

Seguindo, o Apóstolo fala dos frutos desta oração de súplica. Acompanhemos este trecho: “Recomendo que se façam preces e orações, súplicas e ações de graças, por todos os homens; pelos que governam e por todos que ocupam altos cargos, a fim de que possamos levar uma vida tranquila e serena, com toda piedade e dignidade”. Tudo isso, diz ele, porque Deus quer que todos “sejam salvos e cheguem ao conhecimento da verdade”. É através da Palavra e da Eucaristia que podemos conhecer a verdade e sermos salvos. Porém, sabemos que isso não acontece de forma automática. Torna-se necessária a leitura, oração e observância de tudo o que aprendemos por meio da Palavra de Deus.

O Evangelho fecha, concluiu estes apelos ao dizer que nós não podemos ter o coração dividido. Não podemos servir ao mundo e a Deus ao mesmo tempo. Um coração dividido não serve para Deus. “Ninguém pode servir a dois senhores, porque ou odiará um e amará o outro, ou se apegará a um e desprezará o outro. Vós não podeis servir a Deus e ao dinheiro”.

Jesus é bem claro na proposta que faz a todos os seus discípulos. Ele não quer batizados indo a missa, rezando a Palavra e cometendo injustiças na relação com as pessoas ou sendo uma pessoa sem amor e misericórdia. Deus não tolera a hipocrisia. A pessoa que tenta fazer isso, não consegue por muito tempo, pois as máscaras caem e ela mesma não é feliz. A Palavra tem o poder de transformar e denunciar os erros cometidos.

Vamos também nos perguntar: a quem nós servimos? A nós mesmos ou a Deus? Aos nossos luxos, caprichos, egoísmos ou ao Nosso Senhor? Comecemos a dar os passos necessários para uma verdadeira transformação do nosso coração. Sendo fieis nas pequenas coisas, buscando ao Senhor verdadeiramente e sabendo administrar as coisas de Deus de forma sábia, Ele vai nos dando sempre algo a mais; seremos fieis também nas coisas grandes.

Nesta santa celebração Eucarística rezemos pelos administradores públicos e pela conversão de todos. Estamos no ano eleitoral. Um momento oportuno para também rezarmos a fim de que sejam eleitos homens e mulheres de bem. Que os eleitores saibam escolher aqueles que são honestos, justos e verdadeiros. Que ninguém se deixe corromper vendendo seu voto ou trocando por favores e necessidades. Cobremos dos candidatos e dos que serão eleitos propostas para o bem comum da nossa sociedade onde todos sejam beneficiados e não apenas alguns.

Que o Senhor tenha misericórdia de nós.

Abençoado Domingo e uma semana de paz e bênçãos para todos.

Pe. Hermes José Novakoski
Pobre Servos da Divina providência.