25 de fevereiro de 2017

Duzentos mil acessos

No dia 18 de fevereiro este blog atingiu a marca histórica de 200 mil acessos

O blog surgiu da vontade e gosto pela escrita. Uma forma de evangelizar levando as pessoas coisas simples, mas que podem nos ajudar a refletir sobre a nossa fé, sendo luz na nossa caminhada.

Agradeço a todos que passam por aqui. Aos que continuam acompanhando este simples trabalho feito com dedicação. Deus abençoa a todos. 

"Sejamos Evangelhos vivos!" (São João Calábria)


23 de fevereiro de 2017

A QUEM NÓS SERVIMOS?

Diz um ditado: "Diga-me com quem andas, que direi quem és!"

Parafraseando poderíamos dizer: "Diga-me a quem serves, que direi quem és!"

Estimados irmãos e irmãs. Grande a nossa alegria podermos nos encontrar todos os Domingos na casa do Senhor. Ele sempre nos espera como um pai que tem saudades dos seus filhos quando não os vê. Sim! Noss Deus é um grande Pai sempre atencioso e cuidadoso e que sente saudades dos seus filhos quando estão longe deles.

Neste oitavo Domingo do Tempo Comum o profeta Isaías (49, 14-15) nos faz refletir sobre esse amor de Deus por nós. Geralmente a mãe faz de tudo para proteger seu filho. Mas se acontecer de ela não cuidar, Deus cuida de seus filhos. "Eu não me esquecerei de ti", diz o Senhor pela boca do profeta aos seus eleitos.

Muitos de nós já fizemos em algum momento da vida a experiência do abandono. Talvez não tenhamos lembranças, mas é algo que nos deixa inseguros, com medo. Mesmo que nossos cuidadores nos abandonem, Deus nunca nos abandonará, pois Ele nos criou e cuida sempre de toda a sua criação. Essa imagem vemos refletida também no Evangelho (Mt 6, 24-34) quando Jesus diz que se Deus pensa nas aves do céu e nas flores do campo, pensará ainda mais em seus filho e filhas criados a sua imagem e semelhança.

Nestes momentos precisamos rezar com o salmista (Salmo 61): "Só em Deus a minha alma tem repouso, só ele é meu rochedo e salvação". O Senhor é "a fortaleza, onde encontramos segurança", continua a oração do Salmo.

A experiência do abandono de Deus acontece não porque Ele nos abandona, mas porque nós queremos andar sozinhos. Pensamos que não precisamos de Deus em nossa vida e que Ele foi invenção da mente humana. Infeliz de quem pensa assim. Precisa mergulhar na busca da verdade.

Quando abandonamos Deus, vamos nos apegando em outras coisas que possam nos dar segurança, ou a sensação de segurança. Existem muitos meios que nos dão a segurança externa, mas a segurança maior que precisamos é a de estar no caminho de Deus para salvar a nossa alma. Não podemos pensar apenas em proteger as coisas, mas acima de tudo deveríamos blindar o nosso coração para que ele não seja contaminado por tanta coisa ruim que nos tiram do foco e matam a nossa fé.

Jesus já alerta dizendo que não podemos servir a dois senhores. O nosso coração é de Deus ou não é de Deus; está ou não está com Ele. Quantas vezes corremos o risco de querer dividir o nosso coração. Para Deus não pode ser assim. Ele não pode estar em segundo lugar.

O que fazemos, pensamos diz em quem nós acreditamos. Quando buscamos Deus com sinceridade nossas ações vão sendo transformadas. Nossas ações expressam o que o nosso coração sente. Nossa boca proclama aquilo que está em nosso coração. A quem você serve?

Precisamos vigiar sempre para não nos desviarmos do caminho correto. A nossa única preocupação, busca deve ser a construção do Reino de Deus. Quando nos empenhamos nesta busca, o Senhor nos assegura tudo aquilo do que necessitamos para a nossa caminhada. O foco deve ser um só. Precisamos vigiar para não nos desviarmos do caminho. E não precisamos ter medo, pois o Senhor caminha conosco; só nele a nossa alma tem repouso, tem paz, sente-se em segurança.

Peçamos ao Espírito Santo que iluminando a nossa vida nos ajude a permanecermos no caminho do Senhor. Que não percamos o foco da nossa vida, mas que o busquemos realmente em primeiro lugar, pois sem Ele não temos vida.

Cuidemos para que a nossa vida espiritual não enfraqueça, pois quanto mais longe de Deus, mais inseguros estaremos e infelizes seremos.

Abençoado Domingo e uma semana de paz e bênçãos.

Pe. Hermes José Novakoski
Pobre Servo da Divina Providência

17 de fevereiro de 2017

SEDE PERFEITOS COMO O VOSSO PAI CELESTE É PERFEITO

Estimados irmãos e irmãs. Estamos no 7º Domingo do Tempo Comum e a Palavra de Deus é bastante provocativa. O Senhor faz um convite que não podemos recusar caso queiramos estar sempre com ele: a santidade.

Ao falar com Moisés o Senhor já manifesta o seu desejo de como deve ser o seu povo. Ele deve se distinguir dos demais. Não pode fazer as mesmas coisas, ter os mesmos pensamentos. Precisa caminhar e proceder difere.

Os mandamentos que Ele coloca como parâmetro para seus filhos é com o objetivo de que eles tenham vida. O Senhor vai indicando a direção que o seu povo precisa caminhar. Vejamos: "Sede santos, porque eu, o Senhor vosso Deus, sou santo". (Levítico 19, 2).

O parâmetro sempre é o próprio Senhor. As vezes queremos ser igual a fulano porque ele fala bem, é famoso, rico etc. Em nossa vida devemos imitar sempre ao Senhor. Só Ele é digno de ser amado, adorado e seguido.

O que é ser santo? A Palavra nos responde: "Não tenhas no teu coração ódio contra o teu irmão... Amarás o teu próximo como a ti mesmo." (Lv 19, 17-18). Enfim, no caminho de santidade precisamos cuidar para que o nosso coração não seja contaminado pelas coisas ruins, pela maldade. Em tudo e em todos amar e servir o Senhor.

São Paulo na carta aos Coríntios (3,16-23) também fala disso lembrando os fiéis que somos santuário de Deus e que o  Espírito mora em nós. Sendo assim, precisamos viver de acordo com a nossa fé. Nossas ações não podem contradizer a nossa fé.

No Evangelho (Mateus 5, 38-48) Jesus também nos faz o mesmo apelo. Precisamos amar a todos sem distinção, inclusive aqueles que podem nos prejudicar, porque o amor é gratuito e Deus amou a todos. Assim como Deus quer o bem de todos, nós também devemos querer. Por isso o trecho do Evangelho deste Domingo termina exortando: "Sede perfeitos como o vosso Pai celeste é perfeito".

O Mestre é muito e exigente. Não podemos viver a vida com meias medidas. Ou Deus é o Senhor da nossa vida, ou não é. Sendo Ele o nosso Deus temos o dever de transformar a nossa vivência de acordo com o seu projeto, os seus ensinamentos.

Abençoado Domingo e uma semana de paz.

Pe. Hermes José Novakoski
Pobre Servo da Divina Providência

10 de fevereiro de 2017

DIANTE DE TI ESTÃO A VIDA E A MORTE

Estimados irmãos e irmãs. Bom podermos mais uma vez participar da santa Missa dominical e ouvir aquilo que o Senhor tem a nos ensinar como um Pai cheio de amor e misericórdia. Encontramo-nos em sua casa para também partir o Pão da Eucaristia e partilhar as nossas alegrias e os desafios.


Na Leitura do Livro do Eclesiástico (15,16-21) o Senhor lembra o seu povo, e a todos nós hoje, a liberdade que Ele nos deu e da consequência das escolhas erradas que nós fazemos: DIANTE DE TI ESTÃO A VIDA E A MORTE e precisamos saber escolher. Quais os critérios que temos para discernir e escolher a vida? Sua Palavra e o Espírito Santo.

Aqui compreendemos a importância da oração que tanto já falamos e da intimidade com a Palavra de Deus. Ela precisa ser rezada, estudada e vivida. Precisamos saber que ela é vida na vida de um povo e deve ser vida na nossa vida.

Quantos vezes escolhemos mal? Por quê? Porque nos deixamos guiar apenas por nossas emoções. A sabedoria da Palavra de Deus nos faz vencer e sacrificar as emoções, nossos sentimentalismos exagerados. Quantas vezes deixamos que a emoção fale mais alto que a razão? Conseguiremos um equilibrio exercitando o nosso espírito na oração, na intimidade com o Senhor.

Jesus, no Evangelho (Mateus 5,17-37) deste 6º Domingo do Tempo Comum, deixa bem claro que Ele não veio anular a história e o Antigo Testamento. Ele foi enviado pelo Pai para cumprir tudo o que já foi dito; para confirmar tudo o que Deus falou pelos Profetas; para realizar a plenitude da revelação e assim nos conceder a Salvação que todos aguardamos.

Jesus retoma os Mandamentos que Moisés habia prescrevido ao povo, mostrando que Ele veio para mostrar que a vida em abundância de todos os filhos de Deus está na acolhida e cumprimento dos preceitos divinos. Tudo o que vai contra a Palavra produz morte. A vida só está no cumprimento da Palavra, em Cristo, Palavra viva. Só temos vida estando no Filho que nos revela o Pai através do Espírito Santo (Mistério da Santíssima Trindade).

Deus é assim mesmo. Ele fez tudo para que vivêssemos bem e fez bem todas as coisas. Cabe a cada um de nós acolhermos e vivermos segundo o seu Projeto de Amor. E quando vivemos este grande Projeto de Misericórdia, como nos lembra São Paulo na Segunda Leitura aos Coríntios (2,6-10), estaremos para sempre com Ele, pois “o que Deus preparou para os que o amam olhos jamais viram nem ouvidos jamais ouviram nem coração nenhum pressentiu”.

Fica o convite do salmista (Salmo 118): “Feliz o homem sem pecado em seu caminho, que na lei do Senhor Deus vai progredindo!” Isso mesmo, na Lei do Senhor vamos progredindo dia a dia vencendo nossas limitações.

“Santifiquemo-nos para santificar o mundo” (São João Calábria).

Abençoado Domingo e uma semana cheia de paz!

Pe. Hermes José Novakoski
Pobre Servo da Divina Providência

2 de fevereiro de 2017

BRILHE A LUZ DE DEUS EM NOSSA VIDA

Estimados irmãos e irmãs. Estamos no 5º Domingo do Tempo Comum. Vamos ao encontro da luz de Cristo para que ela ilumine a nossa vida. Desejo que a graça e as bênçãos de Deus estejam sobre você e a sua família.

Provavelmente você já deve ter provado um alimento sem sal. Ele se torna estranho. O sal tem o poder de dar, ou fazer com que o sabor do alimento se manifeste. Ele desaparece depois de dissolvido, mas sua presença é marcante.

Igualmente já deves ter feito a experiência da escuridão seja em casa ou na rua. Sem a luz caminhamos com medo de tropeçar em algum objeto ou cair no buraco. A luz torna as coisas visíveis a nossos olhos. Ausência dela é trevas.

Todos nós acreditamos em alguma coisa. Alguns creem nas magias; outros em deuses criados pelos homens; outros em astros; mas nós cremos em Deus, luz verdadeira que nunca se apaga. Deus manifestado sobretudo na pessoa de Jesus Cristo que se encarnou e se fez um de nós.

No dia dois celebramos a Festa da Apresentação do Senhor. É o próprio Cristo que se manifesta a todos nós como luz do mundo. Ele nos ilumina com o esplendor da sua glória. Vem trazer-nos a salvação.

Quando não temos fé vivemos como que tateando pelo mundo. Buscar luz onde ela não existe é um fracasso. Quando alguém busca fama, sucesso, drogas, dinheiro, poder, está buscando uma luz para si próprio e essa luz não é verdadeira pois ela se acende somente por um momento. A pessoa sente-se frustrada e insaciável. Em algum momento cansa e desanima.

Quando deixamos a luz que é Jesus Cristo iluminar a nossa vida, caminhamos com mais segurança e alegria. Não temos medo das trevas e sabemos que essa luz nunca se apagará. Ele é a luz verdadeira, a luz do mundo.

No Batismo todos nós recebemos a luz de Cristo na vela acesa no Círio Pascal. Então não somos mais das trevas e nem da noite. Somos filhos da luz. Está previsto também, ainda que pouco se aplica, o uso do sal no rito do Batismo. São dois símbolos para mostrar que a nossa vida não pode ser vivida sem sentido e sem a luz.

Quando deixamos Cristo ser a nossa luz, ela também brilha no mundo através das obras de caridade. É por isso que Jesus diz no Evangelho (Mateus 5,13-16) deste Domingo: “brilhe a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e louvem o vosso Pai que está nos céus”.

O profeta Isaías (58,7-10) também fala de diversas obras de caridade como manifestação do amor de Deus por aqueles que o amam e o seguem.

A lógica de Jesus é diferente. Brilhe a luz para que vendo as boas obras deem glória a Deus Pai. Podemos cair na tentação de fazer coisas só para sermos elogiados. Queremos manifestar a nós mesmos e não o amor de Deus. Quando isso acontece, a nossa motivação vai se esvaziando e vamos desanimando até desistirmos de continuar fazendo o que tínhamos começado.

Quando procuramos sucesso utilizando as coisas de Deus ou o próprio Evangelho, estamos pecando porque não somos nós que devemos aparecer, mas é Jesus Cristo. Não podemos, é claro, esconder essa luz que brilha em nós. Precisamos fazer com que ela ilumine ainda mais a nossa vida e a nossas ações.

Rezemos neste Domingo por aqueles que ainda não encontraram a razão da sua vida e vivem como que insossos. Também por aqueles que vivem mergulhados nas trevas da corrupção, drogas, prostituição, rancor, inveja, maledicência.

Que a luz de Cristo ilumine a nossa vida todos os dias. Amém.

Pe. Hermes José Novakoski
Pobre Servo da Divina Providência.