30 de março de 2017

EU SOU A RESSURREIÇÃO E A VIDA

Estimados irmãos e irmãs em Cristo Jesus. Eis que a Páscoa se aproxima e aquilo que celebraremos com grande júbilo e fervor, já é anunciado agora. Ao fazer com que Lázaro volte a vida, Jesus manifesta mais uma vez que Ele é Deus, pois só Deus tem poder de tornar a viver. Só Ele pode dar e tirar a vida.

Assim vamos caminhando com mais ânimo para a grande solenidade que se aproxima e já podemos vislumbrar algo que nossos olhos jamais viram e que a nossa fé nos anima a buscar e alcançar. Em Lázaro temos a prefiguração de Jesus e de todos aqueles que nele creem pois não serão de modo algum abandonados e desamparados.

A situação de morte sempre nos entristece porque ocorre a separação física com aqueles que amamos. Diante dela, resta um olhar de fé que nos anima a continuar caminhando e perseverando no caminho do bem. Quando não cremos em Deus tudo parece terminar aí no caixão. Nossa fé diz que não. Aliás, é o próprio Jesus que garante: “Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, mesmo que morra, viverá. E todo aquele que vive e crê em mim, não morrerá jamais”. (Jo 11,25-26)

Esta resposta Jesus dá a Marta no diálogo que eles fazem, consolando a mesma e garantindo a vida eterna aos que nele creem. A morte é consequência do pecado, mas como em Deus o pecado não tem força e nem a última palavra, os que nele creem possuem a vida eterna.

Vemos na cena narrada no Evangelho deste 5º Domingo da Quaresma (João 11,1-45) que Jesus é solidário com o sofrimento dos seus amigos. Ele vai ao encontro de Marta e Maria que choram a morte do seu irmão. Ele vai e restaura a vida. Onde Deus está a vida reina em abundância. Por ser o autor da vida, Ele tem o poder de fazer com que Lázaro retorne. Isso só Deus pode fazer. Este é um fato novo na história da humanidade. Este sinal fez com que muitos que não acreditavam nele, passam a crer.

O Profeta Ezequiel (37,12-14), na primeira Leitura já anuncia que o Senhor conduzirá seu povo para a nova Israel, a Israel onde não haverá mais morte, sofrimento e dor. Só Ele pode abrir as sepulturas e fazer com que voltem a viver os que jaziam na sombra da morte. Hoje o Senhor pode trazer vida a tantas situações de morte existentes. Porém, precisamos busca-lo de coração sincero e humilde.

A segunda leitura da Carta aos Romanos (8,8-11) nos alerta que para chegarmos à vida eterna, precisamos viver segundo o Espírito, pois “os que vivem segundo a carne não podem agradar a Deus”. Ou seja, tudo o que nós fazemos enquanto peregrinos neste mundo, deve nos conduzir a Deus e não nos afastar dele, pois o encontro é certo. Precisamos rezar muito para que Deus tenha misericórdia daqueles que não acreditam nele, não o buscam e não o amam.

Este viver em Cristo e para Cristo nos faz viver desde já na sua graça. Pois com o seu Espírito nós podemos vencer as forças do mal, as limitações e tentações que diariamente nos afetem e querem nos tirar das coisas de Deus.

Eis que a Páscoa se aproxima. Vamos intensificando a nossa vida de oração desejando estar sempre mais perto de Deus para podermos com Ele estar para sempre. Em sua graça somos renovados, restaurados, purificados de nossas misérias e Ele nos conduz aos prados eternos onde a morte não mais poderá nos atingir.

O Prefácio I rezado na missa de corpo presente ou em outras comemorações dos fiéis defuntos, resume muito bem a nossa fé: “Aos que a certeza da morte entristece, a promessa da imortalidade consola. Senhor, para os que creem em vós, a vida não é tirada, mas transformada. E, desfeito o nosso corpo mortal, nos é dado, nos céus, um corpo imperecível”. É nesta certeza que caminhamos. E quando temos um horizonte que nos conduz, a vida tem outro significado. Vivemos certos de que aqui estamos de passagem e que o Pai nos espera de braços abertos para a feliz eternidade.

Abençoado Domingo e uma semana de paz e alegria.

Pe. Hermes José Novakoski
Pobre Servo da Divina Providência