18 de abril de 2017

A PAZ ESTEJA CONVOSCO

Estimados irmãos e irmãs. Estamos no segundo Domingo da Páscoa. Grande a nossa alegria de podermos ter cantado nestes oito dias (oitava da Páscoa) o Aleluia com exaltação e solenidade. Por mais quarenta dias somos convidados a celebrar este grande acontecimento até fecharmos o Tempo Pascal (cinquenta dias) com a Solenidade de Pentecostes.

No Evangelho deste Domingo (João 20,19-31) Jesus aparece aos discípulos e a sua primeira saudação é desejando a paz: “A paz esteja convosco”! O Senhor deseja que a paz verdadeira que só Ele pode dar, esteja em nosso coração, nas nossas famílias, em nossa vida.

Hoje estas palavras de Jesus vem com um renovado significado. A paz está sendo ameaçada diariamente com a crescente violência. Nas famílias, nas cidades, no Brasil, no mundo os homens ainda não aprenderam que a paz é o único caminho para o progresso. As guerras continuarão destruindo vidas e tirando a tranquilidade das pessoas. Deus não quer a violência, mortes, guerras. Deus deseja a paz. Jesus anunciou a paz.

Jesus vem anunciando a paz e deseja que os seus discípulos também sejam missionários, instrumentos da paz. “Como o Pai me enviou, também eu vos envio”! O envio é para anunciar o Reino construindo relações de paz. Em nenhum momento da sua vida terrena Jesus se utiliza de violência ou motiva a mesma. Sempre procura soluções que levem ao diálogo e a paz.

Precisamos deixar que a Palavra de Deus penetre em nosso coração e transforme a nossa vida na sua totalidade. Não podemos pensar que Jesus foi apenas uma ideia ou que seja uma filosofia de vida; tão pouco pensar que a sua mensagem não tem mais sentido. Um dos problemas atuais é pensar que podemos dar explicações racionais a todos os problemas existentes e que a força violenta é a solução. Não! Deus ainda tem muito a nos ensinar e a vivência do Evangelho continua sendo necessária e sempre atual para uma sociedade sonhada por Deus.

Os discípulos aprenderam com o Mestre a dominarem seus impulsos agressivos e pensamentos mundanos. Hoje também precisamos aprender com Ele a sermos mais humildes, simples e santos. Só a graça do Senhor pode nos transformar verdadeiramente.

Muitos querem e pregam que Jesus venha solucionar nossos problemas de forma mágica. Não é assim. Ele nos ensinou a viver em comunidade e a buscarmos no diálogo o caminho da não violência. Deus ajuda, mas Ele não vai acabar de forma extraordinária com os problemas que o homem na sua ignorância cria até porque nunca acabaria. Infelizmente as forças do mal predominam em muitos corações e muitas mentes dos filhos de Deus.

Neste Domingo da Misericórdia temos nela o caminho seguro para a paz. Enquanto não houver perdão, não haverá paz. O ódio e a inveja continuam destruindo corações, relações, famílias. Infelizmente as forças do mal tomam conta de muitos cristãos. Jesus, Misericórdia!

Porém, amados irmãos e irmãs, continuamos nossa missão como discípulos da paz. Não vamos deixar que as trevas vençam, afinal, a luz sempre vence as trevas. Vamos fazer brilhar a luz de Cristo em nossas vidas vivendo os valores do Evangelho, assim como viviam os primeiros cristãos. Vamos pregar com a nossa vida o amor, o perdão, a caridade, a justiça. Assim estaremos contribuindo para que o Reino aconteça.

Renovemos a nossa fé, como Tomé: “Meu Senhor e meu Deus!” Busquemos forças na Palavra, na Eucaristia e na comunidade. Assim teremos mais resistências e coragem para testemunharmos o amor.

Com a ressurreição, grande gesto de misericórdia do Pai, em Jesus Cristo nascemos “de novo para uma esperança viva, para uma herança incorruptível!” (1Pd 1,3-4). Esta esperança que vem de Deus nos renova a cada dia e nos enche de forças para continuar caminhando e anunciando a vitória do amor. Ninguém pode tirar de nós esta esperança.

Abençoado Domingo da Misericórdia. Louvemos a Deus por nos abraçar com este dom.

Pe. Hermes José Novakoski
Pobre Servo da Divina Providência