13 de abril de 2017

A VITÓRIA DO AMOR


Estimados irmãos e irmãs. Mergulhamos com a quinta-feira santa no Tríduo Pascal. Temos nestes três dias em que se seguem, acontecimentos que marcaram para sempre a história da humanidade. Jesus, Filho de Deus, feito homem, Palavra encarnada, veio nos ensinar a amar a todos e deu a sua vida pela nossa Salvação.

Jesus passou pelo mundo fazendo o bem, nos lembra São Lucas. Ele fez bem todas as coisas. A missão que o Pai lhe confiou, Ele a cumpriu até o fim. Não fracassou. Venceu os desejos humanos. Foi mais forte do que as tentações, porque Deus sempre vence!

Vamos refletir rapidamente sobre o Tríduo Pascal. Na quinta-feira santa temos a Instituição da Eucaristia e do sacerdócio. Jesus quis permanecer junto com o seu povo para sempre e encontrou no pão o meio para isso. Na ceia celebrada com os apóstolos, Jesus institui este Sacramento e confia a Igreja o cuidado para que ele continue acontecendo com o objetivo de santificar o mundo e salvar as almas. Atrelado intimamente a Eucaristia, está o sacerdócio, pois sem o sacerdote validamente ordenado, não pode ter Eucaristia, pois não depende só da vontade da pessoa, mas ele precisa estar em comunhão com a Igreja de Jesus e realizar o que Ele instituiu. Rezemos pela santificação dos sacerdotes e de todos os que recebem o grau da Ordem e pela santificação de todos os que recebem a Eucaristia.

Na sexta-feira santa celebramos a entrega de Jesus na cruz. Um mistério que nem sempre conseguimos compreender. Um Deus morrendo pelos seus. Até então na história da humanidade, muitos povos tinham deuses que exigiam sacrifícios. Agora a história é marcada por algo totalmente novo e diferente. Um Deus morre pelos seus a fim de os salvar. Muitos na época não entenderam; outros não quiseram entender. Muitos ainda hoje não compreendem e não aceitam. Foi este o caminho que Deus encontrou para salvar os seus filhos, imersos no mundo do pecado e vivendo a seu bel prazer. Somente o Filho poderia fazer o sacrifício que valesse a salvação. E Ele o fez! Por isso cabe a nós o acolhermos e o amarmos sempre mais, porque Ele nos amou por primeiro e deu sua vida por nós.

A sexta-feira santa deve ser um dia de silêncio, oração, intimidade com este grande mistério de amor. Só no silêncio podemos nos encontrar com o nosso Deus maravilhoso.

Já no sábado santo celebramos a vigília maior, onde fazemos a memória de toda a história da Salvação. Pela Liturgia da Palavra, lembramos das maravilhas que Deus operou desde a criação do mundo até Jesus Cristo. Nele toda a revelação tem o seu ápice, pois Ele é o próprio Deus. Neste dia também acendemos e abençoamos o fogo e o Círio pascal. Cristo é a luz que nos ilumina; luz verdadeira que nunca se apaga. Ainda temos a bênção da água que será usada no batismo ou para bênção. Junto com ela fazemos a renovação no nosso Batismo. Somos convidados a renovar o dia em que fomos lavados dos nossos pecados e nos tornamos definitivamente filhos amados de Deus. Renovar nosso compromisso de vivermos como filhos, seguindo fielmente os mandamentos. E por fim temos a Liturgia Eucarística.

Nesta noite fazemos já a anúncio solene da Páscoa. Fazemos memória da Páscoa judaica agora revestida do novo significado pela ressurreição de Cristo. Jesus, sendo Deus, passa da morte para a vida. Só Deus pode fazer isso. Ele vence a morte e nele somos vitoriosos.

Fica o convite para que todos nós participemos com fé destes momentos em que faremos memória da nossa salvação. Vivamos com profunda intensidade e amor acompanhando Jesus passo a passo.

Quem com Jesus aceita ser crucificado, com Ele ressuscitará.

Pe. Hermes José Novakoski
Pobre Servo da Divina Providência!