7 de abril de 2017

JESUS OU BARRABÁS?

Estimados irmãos e irmãs em Cristo. Agradeço por estar acompanhando este espaço onde queremos crescer juntos em nossa fé. Bonito é quando partilhamos as experiências e vamos nos animando em nossa caminhada rumo a terra prometida. Deus seja louvado e servido para sempre!

Chegamos a Semana Santa. A maior de todas as semanas do ano por celebrarmos o mistério da Paixão, Morte e Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo. Um ato nunca visto na história da humanidade e que ninguém poderá repetir. Ele o fez uma vez para sempre e assim a Salvação chega a todos em todos os tempos.

O que Jesus fez uma única vez e que sempre colheremos os benefícios e as bênçãos deste seu gesto, fazemos memória em cada santa missa, onde o próprio Cristo se imola e se faz alimento para os seus filhos. A santa missa é o sacrifício da Cruz redentora de Cristo, porém, não mais cruento, mas incruento. Ou seja, Ele não morre mais, mas continua espalhando suas graças por toda a humanidade através da missa. Participe com fé e colherás muitas graças e bênçãos.

A Semana Santa, para nós cristãos católicos, deve ser um grande retiro. Um momento de estar aos pés da Cruz e participar também da ressurreição. Infelizmente o mundo colocou o feriado e o comércio os doces a fim de tirarem o foco da Igreja, de Jesus Cristo. A todo custo se quer colocar a Páscoa como a festa do coelhinho de chocolate, mas não é. Tirando Cristo não existe Páscoa. O coelhinho não morreu e não salvou ninguém. Cristo sim! Ele merece ser lembrado, venerado, celebrado por todo o sempre.

Quantos cristãos católicos tem a Sexta-feira Santa como feriado. Não é! É dia santo! Dia reservado para o culto, a devoção, o silêncio. Falaremos mais sobre ela na reflexão própria para este grande dia.

Abrimos, com o Domingo de Ramos, a Semana Santa. Santa porque Deus a santifica. Santa porque Ele morre para nossa Salvação. Este é um dia de oração e de saudação ao Senhor por tudo o que Ele fez por nós.

No primeiro Evangelho (Mateus 21,1-11) que é narrado antes da pequena procissão (do exterior ao interior da Igreja recordando a entrada de Jesus em Jerusalém) vemos o povo saudando e acolhendo Jesus. Ele, por ser Rei, não vem sentado em tronos e nem cercado de soldados e escravos. Mas vem, como ovelha inocente, no meio do povo como sempre o fez. Ele vem também em nome de todos.

No segundo Evangelho, onde temos a narração da Paixão segundo Mateus (26,14-27,66) vemos Jesus sendo traído por um dos seus discípulos; outros que não conseguem vigiar com Ele e dormem no Getsêmani; Pedro que o nega por três vezes; o povo que pede a morte de Jesus e a libertação de Barrabás; o testemunho e silêncio de Jesus quando os acusadores não poderiam mais entender os projetos do Pai; Jesus sendo zombado pelos soldados, sumo sacerdotes e muitos do povo. Enfim, uma narração muito carregada de elementos fortes.

Gostaria de convidar você a se deixar guiar pelo Espírito Santo para que possas rezar aquilo que mais necessitas neste momento a partir da Palavra de Deus. Além disso, quero chamar a atenção para a escolha errada que os Sumo Sacerdotes induziram o povo a fazer pedindo a condenação de Jesus e a libertação de Barrabás.

Amados irmãos e irmãs. Ainda hoje muitos fazem escolhas erradas. Assim como Jesus, muitos inocentes são condenados, mortos e muitos culpados são inocentados e aplaudidos. Muitos que roubam o dinheiro dos impostos para benefício próprio continuam ocupando cargos importantes decidindo pela morte do povo e dos inocentes. Quantos Barrabás existem na política, na Igreja, na sociedade? Muitos! Eles continuam fazendo coisas erradas e continuam sendo ovacionados por multidões. Muitos usando inclusive o nome de Jesus para enganar as pessoas.

Jesus continua sendo condenado, crucificado nas vítimas das injustiças sociais; naqueles que não tem acesso a saúde, educação, moradia, segurança, alimento, água tratada, etc. Muito sangue continua sendo derramado porque os Barrabás do tempo de hoje estão dominando o mundo.

Onde está Deus? Ele não dorme como muitos pensam e ensinam. Ele continua caminhando junto conosco e sua justiça não falhará. Aqueles que aqui fazem os pequenos e inocentes sofrer, terão que responder diante de Deus. Aí nenhum advogado os poderá defender, porque a própria consciência os acusará.

Vamos continuar a nossa caminhada carregando a cruz atrás de Cristo. Com Ele a cruz não é mais sinal de desgraça, mas de Salvação. Por isso, caminhemos confiantes pois Ele não nos abandonará. Aqueles que nos acusam porque somos de Deus, ainda hão de reconhecer como o oficial que estava junto à Cruz de Cristo: “Ele era mesmo Filho de Deus!”.

Vamos com os ramos saudar nosso Senhor. Vamos com amor acolhê-lo em nosso coração e pedir que Ele arranque tudo aquilo que nos impede de vivermos melhor como seus filhos. Precisamos conhece-lo sempre mais para não sermos enganados por aqueles que anunciam um Jesus de acordo com o que desejam e não o Jesus que morre por nós.

Abençoado Domingo. Vamos viver uma Semana santa!

Pe. Hermes José Novakoski
Pobre Servo da Divina Providência.