10 de agosto de 2017

“Coragem! Sou eu! Não tenhais medo!”

Estimados irmãos e irmãs. Deus seja louvado pelas maravilhas que realiza na história. Neste segundo Domingo do mês vocacional a Igreja reza pela vocação familiar e celebra o dia dos pais.

Gostaria de convidar você mais uma vez a refletirmos, iluminados pela Palavra de Deus, sobre alguns valores que as famílias não podem abrir mão e que devem transmitir aos seus descentes. Os pais não podem se eximir das responsabilidades como primeiros educadores dos valores e da fé.

No Evangelho (Mateus 14,22-33) os discípulos estão em alto mar e a barca é agitado pelas ondas fortes. No meio desta agitação e insegurança vem o Mestre ao encontro deles.

Vamos pensar a barca como sendo nossas famílias. O mar é o mundo. As ondas contrárias são todas as situações que querem destruir nossas famílias. São muitos contra valores que atingem em cheio nossos lares e as vezes parece que vão fazer a barca afundar.

Os discípulos em um primeiro momento pensaram que era um fantasma que vinha em direção deles. Quando não temos uma visão clara de Deus e dos valores do Evangelho, pensamos o mesmo. Ficamos ainda mais apavorados porque pensamos que Deus nos abandonou. Somos nós que abandonamos Ele.

Nos momentos de provação, tem os Pedros da vida que querem provar a existência de Deus. Querem saber se realmente é Ele e por duvidarem afundam. Não é Deus que tem que dar provas da sua existência e do seu amor por nós. Mas somos nós que devemos fazer as coisas para agradá-lo. Alias, Ele já nos provou seu amor para conosco na Cruz.

Jesus percebe a pouca fé de Pedro e estende a mão para socorrê-lo. Nos momentos de dificuldade, quando tudo parece perdido; quando estamos afundando é o próprio Cristo que estende a sua mão e vem em nossa direção para nos socorrer pois Ele conhece as nossas fraquezas e o nosso coração.

Nossas famílias precisam cultivar e resgatar sempre a importância da oração. Os pais tem o dever de ensinar seus filhos a rezar. Infelizmente muitos se omitem nesta missão. Assim como Elias encontra o Senhor na brisa suave (1ª Leitura 1Rs 19,9a.11-13a) as famílias precisam do seu momento para estar com o Senhor a fim de escutar sua palavra e saber por onde caminhar.

Vemos o mundo mergulhado na vergonhosa corrupção e crescente sempre mais as forças do mal, como a violência, ódio, drogas etc. Precisamos fazer com que nossas crianças acreditem e construam, instruídos por nós, um mundo de mais justiça, paz, igualdade, respeito. Não podemos pensar que o mal é normal; que as coisas erradas se tornem certas. Valores não tem prazo de validade.

Que o Senhor abençoe a missão das nossas famílias para que sejam cada vez mais um santuário onde a vida possa se desenvolver em todos os aspectos.

Abençoado Domingo e Feliz dia aos pais. Deus abençoe todas as famílias.

Pe. Hermes José Novakoski
Pobre Servo da Divina Providência.

3 de agosto de 2017

ESTE É O MEU FILHO AMADO! ESCUTAI-O!

Estimados irmãos e irmãs. A Igreja no Brasil celebra agosto como o mês Vocacional. Oportunidade para refletirmos sobre a nossa vocação. Cada um recebeu de Deus um chamado e é convidado a responder com amor e determinação. Deus não aceita meias palavras, meia decisão. Ou sim, ou não! Quem diz sim, é feliz para sempre. Não podemos fugir do amor de Deus.

Quando Deus pensou em nós, quando Ele quis que nós nascêssemos, já pensou para nós um caminho de felicidade. Uma forma pela qual nós o servimos e demostramos seu amor para conosco. Por isso, não estamos aqui por um simples acaso. Estamos aqui por desígnio e determinação de Deus que nos ama e quer a nossa felicidade.

Hoje a Igreja celebra a festa da Transfiguração do Senhor. Deus Pai apresenta Jesus como seu Filho amado, como aquele que cumpre fielmente a sua vontade e por isso lhe agrada. Jesus é aquele que deve ser escutado por todos, pois Ele nos revela a vontade do Pai, o sonho do Pai que é vida para todos construindo o seu Reino.

Jesus continua manifestando a sua glória através da Eucaristia e quando o buscamos de coração sincero. Ele vem ao nosso encontro, pois deseja que sejamos salvos pelo seu amor.

Neste primeiro Domingo rezamos pelos sacerdotes. Recordamos esta vocação singular na Igreja, pois todos os que recebem o grau da Ordem tem a missão ainda maior de amar a Jesus Cristo e de transmitir fielmente seus ensinamentos. Pelo poder o Espírito Santo o sacerdote pode consagrar e perdoar em nome de Deus, o que mais ninguém pode fazer. Isso tudo não por mérito destes homens pecadores, mas por graça e misericórdia de Deus.

O que seria do mundo sem a Eucaristia e o perdão? Haveria ainda mais trevas, tristeza, dor, angústia. Não saberíamos por onde caminhar e vacilaríamos com maior facilidade na fé. A Eucaristia é o alimento do céu, Jesus que se faz pão, para alimentar a nossa fé e nos fortalecer na caminhada. Só podemos ter Eucaristia onde tem sacerdote.

É por isso que a Igreja, todos os fieis que são a Igreja, devem rezar incessantemente pedindo mais sacerdotes santos. Devemos também agradecer a Deus por ter concedido esta vocação na sua Igreja e através da qual ajuda a santificar o mundo.

O poder que o sacerdote recebe, transmitido pela Igreja que o recebeu de Jesus Cristo, só pode ser exercido enquanto ele estiver em comunhão com a Igreja. Não é um poder que pode ser usado para qualquer coisa, mas para os fins pelos quais eles foram constituídos. O Espírito Santo continua acompanhando os seus servos para que eles sejam fieis.



Aproveito também para manifestar a alegria de ter sido chamado por Deus a esta vocação por sua misericórdia e não pelos meus méritos. Sou testemunho quanto o Senhor tem feito em mim e através de mim e isso me alegra. Pesa também a responsabilidade de corresponder com fidelidade a esta vocação, dom do Pai. Ai de mim se não corresponder. Quero viver sempre este chamado na alegria, pois em Deus não há tristeza.

Continuemos rezando pela santificação dos sacerdotes. Para que o amor de Cristo que nos amou, continue nos transfigurando e transfigurando o mundo.

Abençoado Domingo e uma semana de paz e alegria.

Saudações,
Pe. Hermes José Novakoski
Pobre Servo da Divina Providência